terça-feira, agosto 11, 2009

O Diário e as Cenas de Violeta Segóvia – Ep. 03


Acho que tudo que precisássemos deveria ser vendido no bar:
- Oi! Por favor, preciso de 25 gramas de felicidade.
- Temos em ml também.- Não, não. Quero pra cheirar mesmo. O efeito é mais rápido e não vou ficar careta por muito tempo. Em ml, o senhor me dá 30 de sabedoria, 10 de malandragem e 10 de sacanagem. Mas me dê aquelas que dão pra misturar. Sabedoria sem esses dois não é sabedoria do mundodecão.
- Acho, minha filha, que você está precisando de amor. Mas anda em falta aqueles de antigamente, dos bons, que os efeitos eram serenos e duradouros.
- Já tô levando felicidade passageira, obrigada.


Consegui um emprego. Assistente administrativo com possibilidade de ser promovida à Gerente de rola. Tiro um troco, me divirto, depois coloco o chefe tarado no pau, pago o advogado e compro um carro popular, mas 0. Precisaria comprar filhadaputice solução aquosa no boteco pra fazer isso. Me esquivo. Já percebi que tem muita gente com acúmulo de função na empresa: puta e estagiária, puta e gerente, puta e recepcionista.

Tem um carinha da publicidade, Mário Felippo, (descobri que eram com dois Ps por um email dele impresso na mesa da Josimar). Bonito, simpático, tem cara de homão, aqueles que deve ter pegada de homão, aqueles homens com cara de “faço gostoso, mas mantenha a discrição, por favor.” Cheira bem, é altérrimo, não é muito ligado a futebol e adora cinema. Informações seguríssimas da estagiária.

- Deve ser gay.
- Não bobona. Gosta de mulher, eu asseguro. Só ainda não conferi com os meus próprios olhos!
Sorrizinho.

Acho que o olho que ela quer conferir não é o convencional. Tô desesperada, mas sou nova na empresa. Josimar já deu o recado:

- Fique longe dos homens daqui. No máximo, café e cigarro na sala dos arquivos, mas nunca vá sozinha.

Ela tem esse nome unissex, mas é gente boa. Saímos pra tomar umas na sexta passada. Fica bebinha fácil, fica soltinha leve, é macumbeira, fala mal da vida de todo mundo inclusive da dela e dá em cima dos caras na cara dura com o seu 1,59m e 86 kg. Pelo o menos, ela é divertida.
No bar, pra lá de trêbada:
- Violeta, tchá con o tcheu tarot ai? Tira aaaas cartas agora e vê se eu vou darrr pra alguém hojsee.Gargalhadas.
- Então, me faz um trabalho pra eu conseguir um cara bacana, bom metedor, rico, carinhoso e fiel.
- Ihhh, quirida. Entchão, vamos terrr que fazerrr disssspacho pra Umbanda inteeeira.

Risadas e cerveja.

3 comentários:

André Lasak disse...

Fico deveras agradecido com a visita e os elogios, cara Isabelle.

Vou visitar com mais calmas seus escritos, além de incluir seu endereço lá n'A Máfia do Quimera Ufana, viu?

Beijo

luiz scalercio disse...

bellissimo texto muito bm mesmo
prbns seu blog.

Volk. disse...

Adorei o texto.
Muito bacana...e bonito tbm.
Add seu blog, nos meus favoritos, tá?!

Beijos