terça-feira, abril 27, 2010

O Antiquário

"Existindo já era a forma de ser aquilo que queria,
não esforçando a feitura de um outro mais bem acabado,
sabia que mesmo sem se mover já estava sendo."
Ângela Castelo Branco



Os móveis estavam no centro
Deliberadamente indispostos.
Caindo uns sobre os outros relaxados
Pontiagudos, retângulos, quadrados.
Pareciam todos acuados pelos cantos
Elegantemente inadequados,
Simétricos e tímidos.

Sob o nuvem do esquecimento
Maquiagem cinza do tempo
Moldavam suas máscaras imóveis
Marcados por mãos alheias seus rostos impassíveis.
Em sua ciência pouca e obscura,
Sobre os móveis estava a placa "aluga-se".

Suas formas diziam pertencer a um cômodo
Juntos e desordenados envelheciam o imóvel inabitado.
O escuro e o silêncio eram os seus contatos.
E todos os dias os móveis festejavam a ausência.

2 comentários:

Fabrício Flávio disse...

O móvel e o imóvel. Genial.
Já disse Barthes: "A fascinação não é outra coisa senão a outra extremidade do distanciamento"
Você é foda! E como combina foda com Barthes!

Beijos abraçados e saudosos!

Fabrício Flávio disse...

O móvel e o imóvel. Genial.
Já disse Barthes: "A fascinação não é outra coisa senão a outra extremidade do distanciamento"
Você é foda! E como combina foda com Barthes!

Beijos abraçados e saudosos!